AGENDA
Lista de títulos 09-01-2012
Informativo nº 22 - Ano II
APEP TEM NOVO PRESIDENTE

Mário Sérgio de Pina Ribeiro, da Fundação Promon,
sucede a Valeria Bernasconi, da Previdência Rhodia


A Associação dos Fundos de Pensão de Empresas Privadas (APEP) inicia o
ano sob novo comando. Em 1º de janeiro, o 1º vice-presidente Mário Sérgio de
Pina Ribeiro
, diretor executivo da Fundação Promon de Previdência Social
(FPPS), assumiu a presidência da Diretoria, sucedendo a Valeria Bernasconi,
diretora superintendente da PRhosper Previdência Social, que deixou o posto
por conta de novas tarefas e atribuições em sua entidade.

Engenheiro civil pelo Instituto Mauá de Tecnologia, com MBA em Finanças pelo
Ibmec, Ribeiro integra os quadros da Promon desde 1984 e milita na FPPS há
dez anos. Sua ascensão à presidência reforça ainda mais os vínculos da
tradicional e respeitada empresa de gerência de projetos de engenharia para
infraestrutura e sua entidade fechada de previdência complementar (EFPC)
com a história da APEP. Surgida no fim da década de 1980, a Associação foi
concebida na sede da Promon, em São Paulo, por iniciativa de Júlio César
Bruschini de Queiroz, um dos fundadores da empresa. Queiroz participou do
Conselho Consultivo de 1990 a 1995, nas duas gestões de seu colega de
trabalho Mário Dias Lopes, que ao deixar a presidência tornou-se conselheiro
e, mais tarde, prestador de serviços. Depois deles, a Promon cedeu para a
APEP dois outros nomes de destaque: Luiz Ernesto Gemignani, que atuou
como conselheiro deliberativo entre 2005 e 2010, e Luiz Gonzaga Marinho
Brandão, que ocupou a 1ª vice-presidência da Associação em igual período.

"Vinte e dois anos após a sua criação, a APEP segue como uma importante
interlocutora do setor com as autoridades e um fórum privilegiado de debate
dos problemas que afetam os fundos de pensão patrocinados pelo setor
privado. Os maiores, sem dúvida, são a burocracia em excesso e o rigor
excessivo das penas previstas pela legislação", constata Ribeiro.

Na gestão passada, a Associação seguiu como referência das autoridades na
discussão dos principais temas do setor. A pedido da Secretaria de Políticas de
Previdência Complementar (SPPC), apresentou sugestões para o
fortalecimento do sistema fechado de previdência no setor privado. De quebra,
indicou seu ex-presidente Paulo Tolentino de Souza Vieira, da Odeprev, para o
Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC) e teve três de seus
dirigentes nomeados para Comissões Temáticas do CNPC: a presidente
Valeria Bernasconi (Fomento) e os diretores Herbert de Souza Andrade, da

Fundação Itaúsa Industrial, e Cláudia Costalonga Cardoso, da Fundação IBM
(Retirada de Patrocínio).

Além de reforçar esse papel da Associação na esfera institucional, o novo
presidente pretende estreitar os canais de comunicação com as EFPCs ligadas
à iniciativa privada. “A APEP é muito valorizada e respeitada pelas autoridades
do segmento e os agentes do mercado financeiro, mas creio que é possível
aumentar sua influência sobre as entidades patrocinadas pelo setor privado,
das quais ela é a legítima representante”, assinala Ribeiro, que já programa,
nesse sentido, uma série de contatos e reuniões com as Associadas.